domingo, 17 de março de 2013

UM AMOR SIMPLES



            A namorada pobre não veio ao encontro porque choveu e ela não tinha sombrinha, porque fez frio e ela não tinha casaco, porque dormiu demais e não havia celular nem sequer relógio-despertador em sua casa. A namorada pobre não tem casa.
Um dia dorme numa amiga, outro, numa tia. Como localizá-la?
A namorada pobre aparece poucas vezes, e tem mais fome do que desejo. (17/03/2013)

2 comentários:

Ana Palin disse...

Ah, a dor que a poesia autêntica transmite. Prosa poética de passear na nossa alma. Quanto desencontro, não obstante o desejo. Quanta precariedade a impedir os sonhos. A poesia não foge da verdade.
Fase boa, hein?, Paulo Bentancur.

Anônimo disse...

Trata-se de um miniconto? É o que parece. E um belo miniconto. Bastante emocionante, por sinal. Postagens assim valem mais que a pena. A gente lê, tão breves que são, e no dia seguinte acaba relendo outra vez.


Lúcio de Castro (Fortaleza, CE)