terça-feira, 3 de março de 2009

PEQUENO DEBATE SOBRE FACILIDADES DO JULGAMENTO MORAL

J. R.:

Pois foste chorar pitangas no blog através de um personagem aí, clássico, o "cara", e te deram de relho, que tal?

Eu ri à socapa, naturalmente.


BLOGUEIRO:

Pois ou eu errei na medida ou os caras não sabem ler. Negócio seguinte: eu não quis mostrar um pobre-coitado do qual todos devessem apiedar-se, nada disso. Eu quis mostrar que quando o cara tá fodido a galera INSISTE em ficar se fresqueando, mandando baboseira, e, o pior!, fazendo julgamento moral de por que o cara chegou àquele ponto. É como se eu, no post, tentasse dizer (inutilmente, vejo agora): "deixem o pobre homem em paz!" Se não for pra ajudar (eu não estava pedindo penico), larguem de mão o sujeito, deixem-no no silêncio do buraco onde se enterrou que uma hora ele sai de lá. Mas os MESMOS "amigos" de quem eu falava (sem citar nomes) continuaram com a mesma postura, que, aliás, é a atual, consagrada: a apologia dos fortes. Tipo: tem que aguentar porrada de instituição financeira (as mais demolidoras) e ficar sorrindo, ainda por cima, e não dizer nada. E quando algum espertalhão vier com gracinha, o cara, atolado, nem pode chiar com a inconveniência deles. Ah, não!...


J. R.:

Depois o "cara", no post seguinte, resolveu pentear o cabelo e seguir em frente. Boa! É isso, mais ou menos como o goleiro que busca a bola no fundo da rede e dá um bicão pro meio do campo. Pra recomeçar.


BLOGUEIRO:

É. Acho que me recuperei no post seguinte.


J. R.:

Pois pra variar hoje estou com a sensação de que não estou rendendo.
Às vezes invejo os manivelas em geral, que descarregam, ou carregam, alguma coisa e era isso. Tá feito, até a próxima.


BLOGUEIRO:

No mundo atual ("mundo"? NÃO ESTOU CHORANDO AS PITANGAS DERRAMADAS), o cara NUNCA ESTÁ RENDENDO. Só serve se produzir desumanamente. Voltamos ao tempo da febre do ouro no Alaska. E estamos lascados.


J. R.:

Pois eu acho que tu não andas rendendo, velho, esse é o problema. As pessoas têm toda a razão de grudar um chiclete no teu cabelo quando te vêem.


BLOGUEIRO:

E elas por acaso andam rendendo? E se não, achas que eu ia perder meu tempo grudando chiclete no cabelo delas? Sou tão santo assim?! Não, apenas a civilização me ensinou o mínimo: a fazer silêncio diante das derrotas contingentes (mesmo continuadas) e a não exagerar os méritos dos vencedores (vitória que a História tem mostrado como resultado, digamos, não muito legítimo...). (03/03/2009)

4 comentários:

Anônimo disse...

me ocorre agora 'o estrangeiro' de camus quando falamos sobre isso, julgamento moral, solidão, esse monólogo de almas que vivemos, esse estranhamento.

será? apenas uma associação.

orestes garcia - itapipoca, ceará

Paulo Bentancur disse...

Puxa, bela associação, Orestes. Estás lendo bem demais, escondido aí em Itapipoca... Vem pro Centro do País que te aproveitam mais. Rsrsrsrs.

Abração e obrigado pela visita.

Anônimo disse...

pois li certa feita um artigo interessantíssimo do historiador voltaire schilling intitulado 'os escritores e suas manias' (salvo engano) e em meio a tantas histórias de escritores e suas manias, é claro, ele conta o diálogo de um crítico literário com o escritor inglês graham greene. pois o crítico elogia a produção dele, como ele devia trabalhar duro para produzir tanto, ao que o graham respondeu: "qual nada, sou um rematado vagabundo. escrevo uma página por dia de manhã cedo e depois não faço mais nada".

isso dá um romance por ano! haha.

orestes

Anônimo disse...

Atiram a primeira e a segunda e a terceira e todas as pedras. Sempre foi assim. Ou o contrário. Uma bajulação atrás da outra. Por isso que se diz que não há crítica no Brasil. Nem ética.


Cláudio Tomé Freitas, Vitória, ES