sexta-feira, 23 de maio de 2008

POR QUE BENTANCUR E NÃO BITTENCOURT

O tema parece expressão de pura vaidade, ou, pior, fútil. Falar da grafia de meu sobrenome é assunto que a poucos, pouquíssimos interessa. Mas a arte, mínima que seja, e arte, média que seja, e arte, máxima que seja, muitas vezes partiu dessas minúcias que tanto podem ser as partículas do sol como as da poeira.
No meu caso, poeira, claro. E me sinto honrado. Até mesmo ambicioso ao extremo. Poeira é pó e o pó reinou na Terra antes mesmo dos dinossauros e reinará ainda depois da extinção dos homens.
Você pega uma lista telefônica e procura pelo meu sobrenome. Vai achar o meu, o da minha irmã e o de uma prima. E nada mais. No Brasil inteiro. Bentancur é marca para poucos. Ficou. Pura sorte. E azar também, porque, mesmo depois de publicar mil vezes textos em livros e periódicos, ainda há quem (claro: o país não lê) jamais, por mais que tente, acerte o meu sobrenome. Acho que esta é a razão de eu, cansado, querer esclarecer de uma vez por todas a história dele. Acreditam que uma vez um jornal publicou um conto meu (EU mandei o original: não ia errar o próprio nome!) com a seguinte forma, BOntancur?! Nem a remotíssima hipótese de que o editor estivesse me chamando de "bom" me conformou.
Se você atravessar a fronteira e chegar ao Uruguai, e, como se não bastasse, fazer-me o favor de abrir a lista telefônica de Montevidéu, tô frito: caí na vulgaridade. Sou quase Silva, Carvalho, Martins. Bentancur, na cidade de Juan Carlos Onetti e Mario Benetti, é tão comum que até acho que vou me mudar pra lá no dia em que quiser me sentir um “homem comum / feito de carne e de memória / osso e esquecimento” (obrigado, Ferreira Gullar: sempre cito isto quando posso).
Falando em Onetti, vamos ler este cara, gente! Segundo o Cortázar, que vocês também esqueceram, o Onetti é o grande escritor latino-americano do século recém findo. Segundo o Mário Vargas Llosa, menor que o Cortázar mas que vocês dão bola só porque o cara trocou socos num cinema com o García Márquez e ainda andou a cavalo numa expedição Indiana Jones para estudar a vida de Antônio Conselheiro, segundo Llosa, repito, o Juan Carlos Onetti começou o chamado boom da literatura latino-americana - cujo auge foi em 1967, com Cem anos de solidão – na década de... 1940!
Mas eu queria era mesmo falar do que não interessa: por que Bentancur e não Bittencourt. Bem, admito: são a mesmíssima coisa. Grande revelação, não é? Tudo começou lá pelo século XIII, na França, com os Bittencourt. O sobrenome é de origem toponímica: o solar da família e o lugar de Bethancourt, na então Picardia, do qual se diz que assinava com o sobrenome o senhorio. Tanto no país de origem como em Portugal, consta que eram aliados à nobreza. Na França, o sobrenome inicial era Bethancourt (o lugar); em Portugal, generalizaram-se as formas Bettencourt e Bittencourt (esta, a mais praticada no Brasil), aparecendo às vezes algumas outras, deturpadas, como Bethencourt, Betancourt, e Betancor, etc. Saídos da França ao mesmo tempo, os Bethancourt chegaram a Portugal por vias e em épocas diferentes. A pessoa mais antiga que se conhece desta linhagem é João de Bethancourt, senhor dos lugares de Bethancourt e de Granville, na Normandia, camareiro-mor do Duque de Borgonha, que vivia por 1360. Seu filho, de mesmo nome, armou navios, e no desejo de achar novas terras lançou-se no Oceano, descobrindo as Canárias. Chega: é uma longa história, e ainda estamos no Bittencourt. A síntese, neste caso, é que Portugal cruzou os braços, lingüisticamente falando, e o sobrenome ficou incólume atravessando séculos, um oceano, e chegando ao Brasil um pouco depois de Cabral. E o Bentancur? Bem, infelizmente não foi uma criação minha. Foi a parte francesa que atravessou a fronteira a pé, ou de mula, vá se saber, e chegou na Espanha. A Espanha é fogo! Nacionalizou a grafia segundo seus ouvidos – que pareciam adivinhar a futura sonoridade de Lorca. Ben-tan-cur... Não é mais musical? Não exige mais demora na pronúncia das três sílabas? E a Espanha exportou pro Uruguai e pra Colômbia. Na Colômbia, não sei a razão, suprimiram um “n” da primeira sílaba. E houve, entre 82 e 86, até um presidente da república, Belisario Betancur. No Uruguai pululam os Bentancur, com as nove letras, melhor distribuídas, silabicamente, que todas as demais grafias. Questão de manter o equilíbrio. Pelo menos era o que diziam meus três avós uruguaios (dois paternos e uma avó materna), que não gostavam de bêbado fazendo discurso na porta de casa. Aliás, esse assunto de ficar falando de genealogia, ou é papo de pavão, ou de bêbado. E o pior: não bebo. Portanto, não tenho desculpas. (24/05/2008)

6 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom!
Queríamos saber,sim!!!
É bem musical,sim!!!
Veleu aexplicação, mestre!
Abraço

Paulo André

Anônimo disse...

Pois bem, além de primas, também primos com este mesmo sobrenome "sofrem" por nunca terem o seu sobrenome grafado corretatamente, há não ser se for de próprio punho, pois de "ouvido" ninguem acerta. Acho que se me chamasse de Stronoff Bentancur teria uma chance de ter este nosso marcante sobrenome escrito corretamente.
Mas Paulo, com a projeção que tu tens, tenho certeza que os meus filhos terão mais facilidades neste asunto que nós tivemos.

Um abraço

Carlos André Alves BENTANCUR

Anônimo disse...

Meu nome é AUGUSTO JOSÉ BITTENCOURT

Eu acho que a história que você conta não é verdadeira...

Entendo que BITTENCOURT é uma palavra de origem ANGLO-SAXÃO...

COURT – é CORTE, LUGAR,
BITTEN – é MORDIDA em INGLÊS
BITTEN – é PERGUNTAR em ALEMÃO
BITTE – é POR FAVOR em ALEMÃO
BITTER – é AMARGO em ALEMÃO ou INGLÊS...


Todos os nomes europeus são derivações de significados, nada era criado sem um significado...

Acho q a história q vc conta é LENDA...

COURT náo é uma palavra de origem francesa, mas sim ANGLO SAXÃO, ficaria fácil deduzir que BITTENCOURT é “CORTE PARA PEDIR” ...

Não conheço nem a palavra BITTEN, nem BETHAN no francês, acho que não existem, assim como náo existe COURT... sabe-se bem que SÃO DUAS PALAVRAS... teriam que ter um significado...

Também estou pesquisando... mas continuo achando que é uma palavra de origem anglo-saxão ...

Quais documentos comprobatórios você tem ?


Obrigado

Augusto Bittencourt

Anônimo disse...

meu email é augusto@bittencourtadv.com.br

Anônimo disse...

Burro do caralho! Court é francês!

Anônimo disse...

olá tdo bem!
Gostei do que vc postou, porém gostaria de saber se vc poderia me ajudar a descobrir minhas verdadeiras raizes sou bittencourt ou pelo menos deveria ser.....é uma longa história e gostaria decompartilhar pois talvez vc possa me auxiliar. ostaria muito se me respondesse meu email: magda.loro@hotmail.com
abraço
magda