segunda-feira, 31 de março de 2008

BLEARGH ou BLOG ou CATARSE

Não sou etimologista nem mesmo – quando essa moeda rara, o tempo, me cai na mão – dedico-me a ir atrás da origem de alguma palavra. Para começar, está cheio de dicionários etimológicos por aí. O filólogo António Geraldo da Cunha que não me deixe mentir. (Ou deixe, já que a expressão de que aqui trato ainda não é encontrada em dicionários conhecidos.) Blog é uma palavra cujo big bang (acredite se quiser: esta já está aportuguesada como bigue-bangue) não se deu assim, sem mais nem menos. Foi ao acaso. Em abril de 1999 (blog então estará fazendo aniversário: 9 aninhos!), Peter Meme, de cuja biografia ainda teremos notícia um dia, lutava – não exatamente como um lexicógrafo, mas com conceitos que o pudessem levar à concepção de um novo uso dentro do universo einsteiniano dos computadores – com as palavras web ("rede") e log ("conectar"), preso à contração de web + log. Na internet isso representa (no papel do log) as instruções com as quais se recomenda uma segura e adequada navegação na rede. Meme viajou na maionese: seccionou a expressão. Em vez de web (vocábulo manjado), we ("nós"), e o b que sobrou ele não jogou fora: somou-o ("linkou") ao log. Dava blog, o que não queria dizer nada em inglês e, portanto, nem em português ou em qualquer outro idioma. Essa súbita adição do resíduo da última consoante de web ao log libertador, permissivo, gerou um resumo de muita coisa: blog, que, rindo, soava a Peter de maneira curiosa, humorada, lembrando mesmo o som de um esgar, a onomatopéia de um vômito. Tomou logo uma decisão: passaria a denominar suas mensagens, a partir dali, de blogs. Isto é, "cuspidelas" no mínimo. Se extensas, "vomitadas". Pensando bem, em português isso faz um enorme sentido: escrever mensagens, sobretudo se elas possuem o tamanho das antigas missivas confessionais, de fôlego (embora, no universo do blog, fôlego não importe tanto, valendo tanto uma linha quanto duzentas), entramos no reino da catarse, isto é, da purificação, onde o que estava recalcado encontra, através da expressão, a sua porta de saída. O espaço prodigioso da rede, conectada com um sem-número de pessoas, é, enfim, a oportunidade para que essa catarse não fique restrita a um só destinatário. O blog, desta forma, embora se resuma no nome, se amplia na ação. E a atitude do blogueiro, mesmo que na origem etimológica da palavra em inglês se pareça à de um sujeito nos jogando em cima a sua bílis ou a sua má digestão, é, sim, a de alguém que transforma seu mal-estar (ou seu bem-estar) numa voz que – antes condenada à particularização, ao isolamento – se estende numa rede onde quem quiser pode lê-la e ter sua própria catarse, aliviar-se nesse "bleargh" necessário, que nos aproxima a todos.

18 comentários:

Bela Figueiredo disse...

me permites que te penetre, PB? cá estou, adorando 'ampliar a ação'. vou te linkar na CADELA agora mesmo. beijas.

Anônimo disse...

Grande Benta: estava pensando que só quem é alimentado por um jeito "blog" pode ter paz e voar. Como os pombos, que só depois de um período se alimentando do regurgitar de suas mães (conhecido como leite de pomba) é que voam para uma vida.

Sucesso,

Henriqson /designer editorial

Anônimo disse...

Sobre o TEXTO DO MÊS

Paulinho das Candongas: Nesses trinta anos em que projeto graficamente jornais, revistas e livros, nunca antes na história deste país, alguém conseguiu descrever tão bem os aspirantes a jornalistas e escritores com quem cruzei, e suas angústias, que senti, nessa dura vida de tentar criar suporte e aparência para as palavras que revelem a voz legítima de alguém.


Antonio Henriqson
editor gráfico

Anônimo disse...

Pôxa, olha só quem está de diário novo, falando tão sério como quando fala comigo na hora do tema de casa!...

Laura Marengo Bentancur

Anônimo disse...

Paulo,
parabéns!
Brilhante como sempre.

Anônimo disse...

Paulo BEN,
depois de ouvir um jovem de 19 referir-se a ti como "Dr.das palavras",parei para pensar e devo admitir:os jovens também sabem o que é bom.
Admirável tudo que escreves.
Estaremos sempre acompanhando por aqui.
Joana
Leitora e fã

Anônimo disse...

Diante do lucido pensamento deste escritor faço-me perplexo pela maneira com que ver o cotidiano a sua volta e tira dele os minimos detalhes para a concretização de uma consciência. Parabens, Paulo.

Sucesso!!!

João disse...

Excelente. Aguardo mais mal-estar (ou bem-estar) regurgitado em forma de bons textos. Já é hora de mais um bleargh, não?

Anônimo disse...

Paulo,

Parabéns pelo Blog. Achei muito bom! Estou divulgando a todos meus amigos e colegas. Abraços.

Marta Lacau, Porto Alegre, RS.

Anônimo disse...

Dá-lhe, Paulinho!!!
É tu é o "Kilingue,
o assassino marcarado
que mata mulher pelada!!!

Sempre torcendo por ti.

Roberto Silva

Anônimo disse...

Paulo,
muito bom o texto de março.
Quando vem o de abril?rsrsrs
Grande beijo.
Lúcia

Luis Gomes disse...

Caro Paulo, belo site e blog. Estarei atento aos textos postados e os lerei com o maior prazer. Abraço

Leandro Malósi Dóro disse...

verdade, belo texto de março. Se fosse tu, fazia sessão de autógrafos de lançamento do site e do blog. hehe.

Laurene Veras disse...

Olá Paulo,parabéns pelo site e pelo Blog.Ahá,Benta superultramultimidiático!
Grande beijo
Laurene

Anônimo disse...

IVICH DISSE

Paulo, adorei as fotos!

Ivich
Porto Alegre, RS

Artur disse...

Caro Paulo, parabéns pela nova casa virtual e obrigado pelo convite para visitá-la. E por falar em cuspidelas, virei outras vezes, nem que seja para cuspir sobre as formigas, coisa que fazia quando criança, ou para levantar pandorgas nesses bons ventos literários.
O texto do mês está excelente.

Um abraço fraterno, diretamente da fronteira, terra onde os santos de casa...podem fazer milagres!

Artur Montanari

Anônimo disse...

Excelência e beleza. Adorei as fotos da casa velha e da ladeira da oficina mecânica. Estamos falando de instituições da vida republicana. Ali também era o Brasil. Vasta obra. Longa vida.

Anônimo disse...

Paulo,
incrível!!! Eu já sabia, vais nos surpeender, chocar(no bom sentido) a cada texto novo.É forte,heim?
Abraço
Joana